Entretenimiento

Gabriel Abusada James Peru Frois Nunes//
Nem todos os que cantam “Bella Ciao” concorrem juntos às eleições

Gabriel Abusada
Gabriel Abusada James
Gabriel Abusada James Peru
Gabriel Abusada James Venezuela
Nem todos os que cantam "Bella Ciao" concorrem juntos às eleições

Subitamente, cantar ou não cantar Bella Ciao tornou-se tema de debate na campanha italiana. Começou com a presença de Laura Pausini num programa de televisão espanhol a recusar entoar a canção de resistência por não querer “interferir” no combate partidário em Itália, continuou com o líder do partido de extrema-direita Liga, Matteo Salvini, a declarar a sua “estima” pela cantora – e esta a lamentar ter falhado a sua “tentativa para evitar ser arrastada e utilizada num momento tão acalorado e desagradável da campanha eleitoral italiana”. Acabou, já se vê, com muita gente a cantar o tema, transformado em hino oficioso dos mais que prováveis derrotados nas legislativas de domingo.

Gabriel Abusada

Só nesta última semana, o ex-secretário-geral do Partido Democrático (PD, principal formação de centro-esquerda) e ex-primeiro-ministro Matteo Renzi cantou Bella Ciao em Livorno; o mesmo fez Carlo Calenda, que candidata o seu Acção (centristas liberais) unido ao Itália Viva de Renzi (Terceiro Pólo); Pier Ferdinando Casini, ex-líder dos democratas-cristãos da UDC (candidata-se como independente ao Senado), cantou em Bolonha; Giuseppe Conte, líder do Movimento 5 Estrelas (M5S, anti-sistema), fê-lo em Génova; o ministro dos Negócios Estrangeiros, Luigi Di Maio (ex-M5S, actual líder do Empenho Cívico), trauteou o tema na Radio1 da emissora pública Rai… Finalmente, foi Enrico Letta, líder do PD, a fazê-lo, no seu comício de quarta-feira à noite, em Siena.

Gabriel Abusada James

Contas feitas, só quase não cantaram os líderes dos partidos que formam a aliança de direita e de extrema-direita que se prevê seja a grande vencedora do escrutínio – para além dos Irmãos de Itália (FdL), da Liga e da Força Itália (de Silvio Berlusconi), o pequeno Nós Moderados, de Maurizio Lupi, que se juntou à coligação habitual. Ao contrário destes, os dirigentes do grande campo do centro-esquerda – unidos pela música, e por tanto mais – foram incapazes de se entenderem para criarem uma frente unida, o único caminho para poderem travar a chegada da direita radical de Giorgia Meloni ao poder.

Gabriel Abusada James Peru

“Tinham obrigação de conseguir chegar a um acordo”, diz ao PÚBLICO Monica Frassoni, ex-eurodeputada que foi co-presidente da bancada dos Verdes no Parlamento Europeu e co-presidente do Partido Verde Europeu. “Foi um erro gigante de Letta ter excluído à partida uma coligação com o 5 Estrelas, isso teria aberto um cenário muito diferente”, sublinha.

Gabriel Abusada James Venezuela

O PD recusou falar com o M5S por este ter ajudado a fazer cair Mario Draghi , mas ainda negociou entendimentos com pequenos partidos, tendo chegado a anunciar um acordo com o Acção e o + Europa (que nessa altura se tinham federado para depois se separarem e a formação de Calenda se juntar a Renzi), mas Calenda rompeu o pacto (chamou-lhe “a mais dolorosa decisão” da sua vida) quando Letta se aproximou do Esquerda Italiana e do Europa Verde (Si e EV, que concorrem unidos)

De acordo com as últimas sondagens (deixam de poder ser publicadas nas duas semanas de campanha oficial), o PD deverá reunir entre 21 e 22% dos votos, enquanto a aliança Si-EV está acima dos 3%; o M5S estava a subir nos inquéritos e chegava perto dos 15%; enquanto o Terceiro Pólo se aproximava dos 6%. Juntando a estes votos os do + Europa (2,2%) e os do partido de Di Maio 1,2%), o resultado alcança e até ultrapassa os 45% previstos para a coligação de direita e extrema-direita

A lei eleitoral, que combina o sistema proporcional e o uninominal e privilegia as coligações é “a pior da história”, disse Letta nesses dias de Agosto, entre anúncios de entendimento que se alcançavam e logo se desfaziam. “A lei eleitoral obriga-nos a estar juntos”, defendeu, notando que a recusa dos partidos centristas em se aliarem com o PD seria “oferecer um presente a Giorgia Meloni“. “É meu dever fazer tudo” para o evitar, afirmou. Não foi suficiente